sábado, maio 12, 2007

2 TEXTOS EM PROSA DE CONCEIÇÃO EUGÉNIO

Já mostramos, aqui, a poesia da portuguesa do Alentejo Conceição Eugénio. Hoje é a vez da sua prosa. Os 2 textos fazem parte do livro "Falar Mulher" (1997), constituído de poesia (a maior parte) e de prosa. Manda ver, Amiga.
Revisitação
Entrou na casa, suave e sorrateira, pisando o chão com o cuidado de quem pisa o corpo amado.
Nada se ouvia. Nem o seu movimento.
Subiu pela escadaria das festas. Foi essa a imagem que lhe ficou.
A imagem dos dias de gala. Dos dias em que todos tentavam criar uma harmonia estética e ética, a ética mais próxima da realidade do ser.
Deambula.
Vagueia pela casa. Silenciosa e furtiva como um ladrão.
Continua a subir a escadaria, detendo-se nos detalhes de pujança e riqueza, bem como nos de decadência, que começam a ressaltar ainda que de forma irrisória.
Abre todas as longas portas pois por elas, sem se vergar, passará um ser de dois metros e meio, e esquadrinha os cantos, os nichos, o recheio...
A casa...
Ausculta o arfar da casa que mais ninguém ouve. Para além dela.
Não só pelo facto de não estar presente mais ninguém mas também, ainda e principalmnte, porque o arfar, o respirar daquela casa, só a ela se revela.
Em cada divisão em que entra deixa de existir e funde-se nela.
A razão da casa e ela existirem é a mesma.
E indissolúvel.
Continua pellas escadarias.
Silenciosamente.
Sem que nada perturbe aquele suave
silêncio e sobe até ao sótão.
Encontra as memórias de infância, aí muito
bem arrumadas, à espera de voltarem a ser,
novamente utilizadas.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Maria reconhece a gentileza, não, mais do
que isso, a ternura dele ao escolher vestir a
camisa azul que lhe comprara.
Via ainda esta ternura desenvolver-se numa
traquinice que lhe fazia os olhos rirem-se e
dançar uma dança sem fim.
Aqueles pequenos nada, traquinas e
maliciosos, faziam-lhe explodir clarões de
riso nos olhos.
E assim iam eliminando penumbras.
Nunca lho havia dito, pensava Maria.
Talvez por assumir não ser necessário.
Pensava agora que teria de corrigir este
silêncio com um qualquer outro recíproco
clarão.

3 comentários:

TMara disse...

meu amigo, me emociona sua gentileza na divulgação de meu trabalho.
Obrigada.
Oxalá seus leitores/amigos partilhem seu gosto pra k seja um prazer colectivo.

Bom domingo (k já é)
Bj
Luz e paz em seu caminhar

TMara disse...

Corrijo gralha:"para" que seja....
Bj

Ju disse...

Existem momentos em que a algazarra do silêncio sobre põem os gritos
e farfalhos de nosso eu...Então nossos olhos perdem-se na aquarela
wsquecida da vida...Sempre de ótimo gosto teus posts...Assim q meu pc estiver
bom novamente virei com mais frequência! =]
Um ótima semana pra ti! :*