terça-feira, fevereiro 17, 2009

TEXTO DE CECÍLIA MEIRELES SOBRE O CARNAVAL

Pierrô, Arlequim e Colombina, óleo obre
tela de Di Cavalcanti (1922)
Depois do Carnaval
Terminado o carnaval, eis que nos encontramos com os seus melancólicos despojos: pelas ruas desertas, os pavilhões, arquibancadas e passarelas são uns tristes esqueletos de madeira; oscilam no ar farrapos de ornamentos sem sentido, magros, amarelos e encarnados, batidos pelo vento, enrodilhados em suas cordas; torres coloridas, como desmesurados brinquedos, sustentam-se de pé, intrusas, anômalas, entre as árvores e os postes. Acabou-se o artifício, desmanchou-se a mágica, volta-se à realidade.
À chamada realidade. Pois, por detrás disto que aparentamos ser, leva cada um de nós a preocupação de um desejo oculto, de uma vocação ou de um capricho que apenas o Carnaval permite que se manifestem com toda a sua força, por um ano inteiro contida.
Somos um povo muito variado e mesmo contraditório; o que para alguns parecerá defeito é, para outros, encanto. Quem diria que tantas pessoas bem comportadas, e aparentemente elegantes e finas, alimentam, durante trezentos dias do ano, o modesto sonho de serem ursos, macacos, onças, gatos e outros bichos? Quem diria que há tantas vocações para índios e escravas gregas, neste país de letrados e de liberdade?
Por outro lado, neste chamado país subdesenvolvido, quem poderia imaginar que tantos reis e imperadores, princesas de Mil e Uma Noites, soberanos fantásticos, banhados em esplendores que, se não são propriamente das minas de Golconda, resultam, afinal, mais caros: pois se as gemas verdadeiras têm valor por toda a vida, estas, de preço não desprezível, se destinam a durar somente algumas horas.
Neste país tão avançado e liberal - segundo dizem - há milhares de corações imperiais, milhares de sonhos profundamente comprimidos mas que explodem, no Carnaval, com suas anquinhas e casacas, cartolas e coroas, mantos roçagantes (espanejemos o adjetivo), cetros, luvas e outros acessórios.
Aliás, em matéria de reinados, vamos do Rei do Chumbo ao da Voz, passando pelo dos Cabritos e dos Parafusos: como se pode ver no catálogo telefônico. Temos impérios vários, príncipes, imperatrizes, princesas, em etiquetas de roupa e em rótulos de bebidas. É o nosso sonho de grandeza, a nossa compensação, a valorização que damos aos nossos próprios méritos...
Mas agora que o Carnaval passou, que vamos fazer de tantos quilos de miçangas, de tantos olhos faraônicos, de tantas coroas superpostas, de tantas plumas, leques, sombrinhas...?
"Ved de quán poco valor
Son las cosas tras que andamos
Y corremos..."
dizia Jorge Manrique. E no século XV! E falamos de coisas de verdade! Mas os homens gostam da ilusão. E já vão preparar o próximo Carnaval...
- Texto do livro "Quatro Vozes", Editora Record - Rio de Janeiro, 1998.

3 comentários:

Mariazita disse...

Porque vou ausentar-me a partir de hoje à noite e até meados da próxima semana, não poderei, neste período, fazer, como tanto gosto, as habituais visitas e comentários.
No entanto deixarei programado (assim espero!) um post para ser publicado na quinta-feira (Anita) e outro para domingo, que, se quiseres, podes ir ver.
Hoje ainda, tenciono publicar no Lírios.
Até ao meu regresso.
Bom Carnaval.
Beijinhos
Mariazita

Dilberto disse...

Cecília é sempre bem-vinda, com suas observações astutas de menina sem-idade que paira no ar... Lembrei-me de "Ela desatinou", de Chico Buarque! Falarei de carnaval na segunda; por ora, falo um tantinho de Literatura (seus dois temas do 'post' de hoje, meu caro. Bom carnaval para você, se for de folia; bom feriado, se for da calmaria, como eu! Abração!

Jacinta Dantas disse...

Oi Francisco,
obrigada sempre por sua presença lá no florescer. Respondo aqui sua pergunta: o bebê da foto é meu irmão. Belos tempos.
Um beijo